Desenvolvimento Pessoal

O que as Olimpíadas nos deixaram? Saudade…

Escrito por @transfigurarte

Estamos iniciando setembro e gostaria de aproveitar a oportunidade de termos vivenciado as Olimpíadas e estarmos entrando na Paraolimpíada para falar de pensamento positivo, motivação, superação e união. Porque acho que foi isso que vivenciamos nesse período. Nós brasileiros, estamos passando por muitos problemas políticos e sociais e de alguma forma ficamos mais desacreditados, com medos relacionados ao aspecto financeiro e de segurança, entre outros. E, de alguma forma, devido a essa desconfiança geral, tanto nós quanto a imprensa internacional não acreditávamos que teríamos tão boa experiência olímpica.

E tudo o que aconteceu no decorrer desse período nos surpreendeu e nos emocionou, iniciando pelo espetáculo da cerimônia de abertura. A criatividade, simpatia e acolhimento do povo brasileiro chamaram atenção dos gringos e da imprensa internacional. Nós pudemos torcer pelos atletas e nos envolver com os jogos, além de ter a oportunidade de conhecer a novo Centro da nossa cidade, andar de VLT e quem diria podermos admirar e tirar foto em plena zona portuária?

Acredito que nós mesmos, pudemos nos surpreender com nossa motivação e envolvimento com esse evento diante de tanta amargura, sentimento que também é experimentado por muitos atletas que tem falta de apoio e recursos financeiros para investirem em suas carreiras, assim como, diversas vezes, se sentem desmotivados e com vontade de desistir diante de tantas derrotas. Diante das adversidades, eles, assim como nós, precisam acreditar em si mesmos, mesmo que alguns não lhes dêem crédito e, diante disso, precisam persistir e pensar positivo, acreditar em sua vitória, pensar que todo o seu esforço será reconhecido e terá valido à pena. Enfim, sentir que se superaram somente por estarem ali! Aliás, superação foi o que todos experimentamos! Aqueles que estavam competindo e nós que estávamos torcendo!

Assim, finalizo com a avaliação da jornalista alemã, Astrid Prange, que disse que mesmo que após os jogos os problemas da cidade permaneçam os mesmos de antes, a cidade mudou: “Uma nova autoconfiança tomou conta de seus cidadãos. É o justo orgulho de sob as circunstâncias mais difíceis, ter realizado o maior evento esportivo do mundo, com mais de 10 mil atletas e 500 mil espectadores. É a satisfação de, após anos dos distúrbios causados pelas grandes obras, reconhecer um novo rosto da cidade. É a alegria pelo reconhecimento mundial desse ato de força organizatório, esportivo e social”. Em outro momento, ela finalizou dizendo que os Jogos Olímpicos libertaram o Rio: “Libertaram do difundido complexo de inferioridade brasileiro de que no exterior tudo funcione melhor do que no próprio país”.

E rumo à Paraolimpíada!


No mês passado o tema da coluna foi sobre as Olimpíadas e, claro, que hoje irei abordar sobre o fantástico evento das Paraolimpíadas! Foi emocionante observar os nossos atletas paraolímpicos e acompanhar este evento foi uma oportunidade de aprender muitas coisas com as experiências vividas e passadas por eles através do esporte e suas histórias de vida, nos fazendo refletir sobre as nossas vidas; sobre as nossas próprias limitações e formas de lidar e superar situações difíceis e, algumas, que até parecem impossíveis! Eles vão lá, e nos mostram que é possível, sim, desenvolver determinadas habilidades e capacidades que faz nossos olhos brilharem e se irradiarem diante do que presenciam.

Acompanhando os atletas, em vários momentos, me deparei diante de tantas habilidades e competências que não desenvolvi e a partir daí, é interessante refletirmos sobre o conceito de deficiência, que segundo o dicionário significa imperfeição, falta, lacuna; deformação física ou insuficiência de uma função física ou mental. Se ampliarmos nosso olhar, todos nós temos nossas limitações e insuficiências variando seus níveis e graus, assim como temos talentos e habilidades a serem desenvolvidas para algumas áreas da vida.

Todos nós podemos nos desenvolver em algum aspecto e, para isso, precisamos superar as limitações que temos e, principalmente, as crenças negativas, que nos acompanham com medo, nos trazendo insegurança e dificuldade de acreditar em nós mesmos. Essas crenças, talvez, sejam a nossa maior inimiga e nossa maior “deficiência”, que nos afastam de ações direcionadas às conquistas e vitórias que podemos obter.

Diante das adversidades que passamos na vida, precisamos ter a capacidade de resiliência, que é a capacidade de voltar ao seu estado natural, principalmente após alguma situação crítica e fora do comum e mais especificamente, na psicologia, significa a capacidade que tem uma pessoa ou um grupo de se recuperar perante a adversidade e ultrapassá-la. Em certas ocasiões, as circunstâncias difíceis ou os traumas permitem que a pessoa desenvolva recursos para lidar com o ocorrido e que ela não reconhecia até então.

Assim, os atletas nos transmitiram muitos ensinamentos, investindo e acreditando em si mesmos, tendo disciplina, persistência e determinação, conquistando suas vitórias! Vamos nos alimentar dessa energia! Pensamento positivo e vamos em frente!

Por Luana Menezes

Sobre o autor

@transfigurarte

Transfigurar-te - O Espaço Transfigurar-te foi fundado pelas Psicólogas:
Luana Menezes e Vanessa Gonçalves, especializadas no desenvolvimento humano.

Deixe um comentário