Coaching Desenvolvimento de Carreira

De 0 a 10, o quanto você está comprometido consigo mesmo?

Escrito por @transfigurarte

Nas duas colunas anteriores expus reflexões sobre orientação de carreira e passei algumas dicas sobre o que vocês devem saber para escolher uma profissão e/ou ocupação. Agora, quero acrescentar outros aspectos que estão intimamente ligados à vida pessoal e profissional e que são extremamente importantes e avaliados, constantemente, por todos que estão a sua volta!

Devemos investir em conhecimento; treinar nossas habilidades para realizarmos determinadas atividades; participar de cursos e palestras na área que atuamos, e assim obtermos vários certificados; prepararmos um bom currículo; procurarmos emprego na área ou oferecer nossos serviços; abrir uma empresa e por aí vai! Porém, não podemos parar por aí. Para conquistarmos a vaga tão almejada, obter mais clientes, alcançar um lugar de destaque em nossa carreira, precisamos investir em nós mesmos.

Mas com isso já não estamos investindo em nós mesmos? Sim, estamos! Porém, não é o suficiente. Eu estou falando de algo mais interno, em investir não somente na inteligência cognitiva, que é exigida quando estamos investindo na educação formal (escola, cursos etc), mas na inteligência intrapessoal, que compreende os conhecimentos relativos ao “Eu” e inteligência interpessoal, relativa à capacidade de se relacionar com o outro. Ou seja, preciso ter autoestima; autoconfiança; segurança no que eu realizo para poder transmitir meu conhecimento ou oferecer meu serviço de modo que as pessoas se convençam de que a minha ideia é boa; tomar decisões que sejam favoráveis a minha vida; ter empatia, saber me comunicar, entre outras habilidades comportamentais, que são essenciais para eu conseguir expandir meus relacionamentos e rede de contatos, conquistar meu emprego, meus clientes ou me apresentar em público.

Muitos profissionais são demitidos ou se demitem por seus comportamentos e/ou dificuldades nas relações sociais. No momento da entrevista de emprego, é fácil analisar todos os conhecimentos e cursos que a pessoa realizou, mas depois que se avaliam melhor os comportamentos. Quando a pessoa abriu seu negócio, se informou bastante e soube cada passo para abrir sua empresa. Porém, não consegue entender o motivo de seu concorrente ter clientes e ela muito pouco. O outro que não consegue emprego e que percebe seu colega, que fez o mesmo curso que ele, estar empregado.

E assim, muitos culpam a profissão, o ramo, o mercado em vez de se questionarem quanto às suas atitudes e comportamentos.

Investir em você mesmo é olhar de dentro para fora! Siga o seu caminho se questionando mais e buscando recursos internos para evoluir e conquistar seus sonhos!

Assuma o compromisso com o seu desenvolvimento! Para isso, estou aqui!

Por Luana Menezes

Sobre o autor

@transfigurarte

Transfigurar-te - O Espaço Transfigurar-te foi fundado pelas Psicólogas:
Luana Menezes e Vanessa Gonçalves, especializadas no desenvolvimento humano.

Deixe um comentário